Seus sets vibrantes de house e deep house fizeram história em festas e clubes de São Paulo. Mas seu gosto musical e influências vão muito além desses dois gêneros. O set que disponibilizou para o Freak Market comprova que seu leque musical é bem mais amplo e variado.

Thiago Guiselini teve seu primeiro contato com a atmosfera dos clubes muito cedo, quando foi fazer uma apresentação de capoeira em uma boate e ficou encantando com a música, a agitação e principalmente o trabalho do DJ. Ele tinha só 10 anos e não tinha mais volta, o pavio estava acesso e ele resolveu se investir no hobby. Comprou seu primeiro mix quando tinha 15 anos e logo fazia seus primeiros experimentos, usando o que tinha na mão (no caso, dois discmans). Indo mais fundo ainda, se matriculou num curso de DJs e ai não parou mais. 

A projeção para um público maior veio em 2004, quando venceu um campeonato de DJs patrocinado por uma marca de roupas. Como prêmio, ganhou residência num clube famoso por mais de uma ano, onde teve a chance de tocar para um público cada vez maior e cativo. Assim como sua pesquisa musical, a residência lhe proporcionou também melhorar sua técnica no comando do mixer, ganhando mais confiança e traquejo.

Desde então só vem ampliando os lugares por onde toca, passando por D-Edge, Sonique, Museum, Hot Hot, B4 Lounge, Elephant, Casa 92, Taboo, The Week, Tostex, Chakras e Urbano Club, além da residência no exclusivíssimo B.C. Fundou, junto com dois sócios, uma das festas mais legais de São Paulo, a Soul.Set, onde toca sets longos "que vão do disco, passando pelo indie, deep house e house músic clássico, um conceito de set que agrada muito por ser eclético, divertido e sofisticado ao mesmo tempo."

O release do Thiago é preciso, escrito por outra lenda das pistas de São Paulo, Francisco Cornejo:

"Viajar com Thiago Guiselini é algo que se faz com a emoção e energia que são reservados apenas a alguns de nossos melhores momentos em nossa breve estadia neste plano. Seus sets são repletos dos elementos essenciais que transformam uma seleção musical em uma narrativa sonora: fluidez, precisão, aquela sensibilidade aguçada para dialogar com os dançarinos e, com sua ajuda, cerzir e alinhavar sets cuja potência e permanência são sua mais forte singularidade. 
 
A paixão que propele seus esforços é daquele tipo seminal, fundamental, visceral, a mesma que ajudou a criar esse movimento ao qual ele dedica a maior parte de seu talento: a House Music. Seja como DJ, criando experiências de profundidade e elegância únicas,  ou agitador cultural, através da Soul Set, evento que transfigurou a forma como os paulistas experimentam a música dançante e a festividade que a sustenta, Guiselini tem se mantido na vanguarda da produção e promoção da musicalidade que esposou desde o início de sua carreira.
 
Trazendo para a metrópole baluartes do gênero como Ron Trent, Joe Claussell, Atjazz, Metro Area, Mark Farina, Dj Spinna, entre outros, para o deleite de seu fiel público e sendo um anfitrião dos melhores em termos musicais, Guiselini acabou por se estabelecer como um dos responsáveis por sua renovação no país, inaugurando uma nova fase da House no Brasil ao apresentá-la a uma nova geração de ávidos seguidores.
 
Esse mesmo sentimento de congregação, de celebração coletiva, aquele feeling que é a própria música House, independente de quem a faça, dance ou simplesmente aprecie, é o que o impele a continuar fazendo o que tem feito tão bem. E é isso ao que ele continua se dedicar, com a firmeza e vontade inquebrantável de todos aqueles que fizeram a história dessa instituição dançante."

Guiselini escolheu um set incrível que fez para os chapas do Na Manteiga (aliás, já leu a matéria que fizemos com eles?), que representa muito bem sua personalidade musical, sem amarras, sem tags, sem estereótipos, só música boa e para dançar.

"Esse set foi gravado ao vivo na Rádio Na Manteiga. É um set que reflete o que acredito, música sem rótulos, passeando por influências diversas.", diz Guiselini