“Essa música tem culto a Satanás!” Isso é o que pregam os detratores do metal. Um estilo que sobrevive há mais de quatro décadas e arrebanha fiéis de diferentes gerações, credos e classes sociais.

Dentre os estilos há uma rica árvore genealógica e o termo abrange de Black Sabbath a Slipknot, Metallica a Avenged Sevenfold e Iron Maiden a Mastodon. Se formos levar o assunto didaticamente, ficaria dias falando, mas como o tema aqui é a longevidade do estilo no Brasil, vamos manter o foco!

Quando falamos 'Metal', estamos abrangendo também seus subgêneros como Hard Rock, New Wave of Britsh Heavy Metal, Thrash Metal, Death Metal, Doom Metal, Glam Metal, Power Metal, Speed Metal, Black Metal - a vertente mais radical que os fãs chegam a queimar igrejas e adorar o capiroto, Viking Metal (sim, metal com temática dos guerreiros nórdicos), Melodic Metal, Alternative Metal, Post Metal e até a versão evangélica chamada de White Metal. Ufa! Contaram quantas vezes foi digitada a palavra “metal”?
 
Enquanto outras vertentes do rock amargam uma fase decadente sem figuras, ou bandas fortes para a representarem, o metal parece intacto. Como se seus ícones não pertencessem tanto ao passado. Apesar de nomes fortes como Dio (Deus do metal e ex-vocalista de bandas como Rainbow e Black Sabbath) e Lemmy (do imortal Motorhead) estarem no além, outros nomes resistem e continuam em turnês de pequeno a grande porte. No Brasil, bandas tidas como decadentes no exterior arrastam grande público e tem apresentações sold out. Em alguns casos tendo shows extras marcados. 
 
Caso dos jurássicos Helloween (ícone do metal melódico alemão) com shows marcados para outubro por aqui e ingressos quase esgotados e King Diamond, papa do Shock Rock e referência para bandas de black metal a Marylin Manson, dia 25 de junho no Liberation Festival em São Paulo. Talvez aquela máxima de “qualquer show internaconal no Brasa lota” faça sentido... ou não! Bom, a banda de metal bárbara/medieval Manowar tem shows lotados e uma base sólida de fãs na terrinha. Pensem bem...Manowar tem agenda de shows lotadas na terra do funk, carnaval e Annita.
 
Mesmo com a crise, bolha dos shows internacionais estourada e outros agravantes, festivais de metal voltaram a ser realizados e já causam ansiedade em seus fãs, como o Maximus Festival (dia 13 de maio no autódromo de Interlagos) que vai trazer diferentes gerações do estilo unindo os veteranos do Slayer com os novos queridinhos do metal alternativo Red Fang, os performáticos Rob Zombie, Ghost e os quase pop Linkin Park. 
 
Não podemos esquecer que uma das mais cultuadas bandas do gênero surgiu aqui; o Sepultura veio de Minas nos anos 80, Influenciou artistas de todas as partes do globo, fundiram rock pesado com batidas regionais e foram um dos culpados diretos pelo surgimento do Nu Metal (Korn, Deftones, Slipknot) devido ao clássico “Roots”. Tido como um dos discos mais importantes da história do Heavy Rock. Pena que os irmãos Cavalera abandoram o barco e a banda já não tem a popularidade de outrora.
 
O fã de Heavy Metal, em particular, não segue modismos e provavelmente vai sempre comprar discos de suas bandas favoritas passando isso pra frente. Visitando as lojas da Galeria do Rock que ainda não se transformaram em locais de acessórios para emos temporões e hipsters do rock.  E se vão nos shows, sabem todas as músicas e não ficam com o smartphone filmando ou tirando selfie a cada 2 minutos. Se por um lado os fãs de indie ficaram associados a bunda molice e geração mimimi, por outro os headbangers brazucas se firmam ao lado dos punks e góticos como algo que vai existir por muitos anos. Se renovando ou mantendo-se com a mesma roupa como um personagem de cartoon.
 
As guitarras com chifres podem dividir algumas opiniões, mas no geral, fica a certeza que as modas passam, amizades e casamentos acabam... mas o metal não!
 
Abaixo, algumas opiniões sobre esse estilo tão imortal:
 
Luiz Cesar Pimentel (Jornalista do R7)
O que acontece com o metal é que mesmo na época em que você precisava de mídia para aparecer, o gênero se desenvolveu de maneira independente, sem essa ligação umbilical com a necessidade de exposição que só grandes veículos de mídia ofereciam. Quando essa vitrine embaçou e ganhou concorrência de milhões de serviços digitais menores, via internet, o metal não sofreu abalo, pois os caminhos que percorriam independiam dessa tal vitrine. O que se mostrou extremamente saudável para o gênero. E a resposta para o gostar de metal não é bem definida de maneira objetiva. Você escolhe (ou é escolhido) por um tipo de música por afinidade ao espírito desta – no caso do metal, a energia crua dispensada na manifestação é o que me atraiu de cara e é o que me faz continuar fã, 35 anos depois. Eu até achava, por opiniões alheias, que à medida que fosse envelhecendo eu assentaria e começaria igualmente a tender a coisas mais afeitas a coroas, mas não. Nunca diminuiu um centímetro o meu gosto pelo gênero. Escuto com a mesma empolgação coisas que ouvia há mais de 30 anos.
 
Moyses Kolesne - guitarrista do Krisiun, a banda mais fodaça de death metal do Brasil e do mundo:
Eu gosto de metal porque fui atraído pelo peso e força da música mas também  pela ideologia rebelde  que era forte nos anos 80. O metal existe desde os anos 70 e a cada geração que passa se renova e se molda de acordo com o tempo,  sempre cativando  mais pessoas e novos territórios que antes não existiam. O heavy metal não depende da mídia porque existe pela própria essência underground da sua origem. Nos tempos atuais o metal tem muitos subgêneros que vão do mais extremo até o quase pop, basta achar aquele que mais o atrai na infindável lista que existe.
 
Fabrizio Martinelli - guitarrista do Maguerbes: 
Acho que o metal é uma música feita de alma, e não de metas comerciais de vendas e sucesso. não é uma moda ou tendência das rádios do momento. Pode ser um gênero que não agrade tão facilmente qualquer um, mas quando agrada, é pra valer mesmo, é de verdade. Então quando uma pessoa entende e gosta de metal, isso não vai ser passageiro, ela vai gostar pra sempre! 
 
Chuck Hipolitho -  músico/produtor (Vespas Mandarinas/ Forgotten Boys):
Longe de mim querer explicar o heavy metal, mas vamos lá. Acho que trata-se de um gênero que, assim como o punk, funciona muito bem para dar vazão a sentimentos que aparecem principalmente na rebeldia da adolescência. Também acho que ajuda a ter uma visão crítica do mundo principalmente numa fase da vida em que isso é muito importante.  Mas, também é um gênero, na maioria das vezes, muito conservador, machista e intolerante. É fácil entender, praticar e replicar os dogmas dessa quase seita com um guru onipresente que é na verdade a consciência coletiva de todos os seguidores, olhando, controlando e se auto admirando. Me limito a observar e admirar o heavy metal como uma expressão artística e cultural. Sou fã de vários grupos de ontem e de hoje do underground ao mainstream, mas não sou um metalhead.
 
Giuliano Di Martino - baterista (Deb & The Mentals)
Acho que vai muito da atitude e da estética das bandas. O fã de metal inconscientemente, compra atitude. Também acho que o metal, assim como o punk, acolhe uma minoria esquecida. Quando desecobri o metal, a primeira coisa que me deixou maluco, foram as capas. Ver o "capetão" na capa do Black Metal do Venom e todos os detalhes maléficos cuidadosamente escondidos, nas capas cuidadosamente ilustradas do Slayer, percebi que casam perfeitamente com a postura e atitudes agressivas das bandas no palco. Pra mim isso soa muito real. Agressivamente real. Gosto do Heavy Metal "clássico", mas o que me "entortou" na vida mesmo foi o thrash, death e black. Não sei explicar, mas tudo soa muito real pra mim, sem se preocupar com nada, sabe? Acho que num mundo onde muita coisa é fake, por mais que soe piegas, essa agressividade bate igual tijolo. Acho que é por isso que muitos torcem o nariz. 
 
E se você ainda não tem tanto conhecimento das bandas, mas quer se aventurar pelos clássicos do metal, preparamos um playlist para iniciantes  já começarem seu headbanging. Caso você seja um admirador do estilo, sempre vale relembrar essas pedradas. Dá o play!

Playlist - Metal Para Iniciantes