Para você que se liga na cultura noturna e DJ Life, é impossível falar disso sem citar o veterano Magal.

Um desbravador que começou muito cedo tocando vinis e fitas cassete nos porões underground de São Paulo. Muito antes da profissão DJ ser glamourizada e banalizada ao longo dos anos. Seu apelido surgiu nos anos 80 devido a uma brincadeira de seus colegas de escola. Magal se chama José Sidnei e quando era chamado pela professora já emendavam o Magal.
 
 
Tido como influência para boa parte dos profissionais que primam pela pesquisa e qualidade sonora, Magal atua também como pai e professor. É um exemplo de se amadurecer com dignidade e pé no chão em meio a tanto deslumbre e carreiras efêmeras que terminam por falta de persistência no meio noturno e de festas.
 
Conheçam seu outro lado e ouçam seus conselhos:
 

Magal, como tem sido a aventura de envelhecer e amadurecer? O que você sentiu que melhorou internamente nesse tempo?

É ótimo! Hoje tenho muito mais experiência. Sou bem mais calmo, diferente de uns dez anos atrás. Eu ficava pilhado antes de tocar e qualquer coisa que eu via de errado me deixava puto. Ás vezes até ajudava, outras não. 
 

A profissão DJ é muito ligada à juventude e percebemos que muitos colegas de trabalho acabam não se atualizando e adaptando a mudanças de cena e geração. Quão difícil é se manter de pé e relevante nesses tempos em que tudo dura tão pouco?

Esse é o grande desafio da minha vida. Por enquanto acho que estou indo bem. O lance é que eu gosto realmente disso. Não estou aqui de brincadeira. Os anos me ensinaram que o caminho é através da boa música. Ela me trouxe até aqui e me mantém até hoje. 
 

E nesses anos como é a experiência ser um pai dedicado e trabalhar com música e horários estranhos ao mesmo tempo? O lance de ter família te deu ainda mais base e estrutura?

Ser pai é maravilhoso! A melhor coisa que aconteceu na minha vida! Mas não é fácil lidar com os horários e as necessidades que isso pede. Ainda bem que eu estive cercado de pessoas que me ajudaram. Sozinho tudo teria sido muito mais difícil. É claro que isso meu deu uma base mais sólida. Mudei meus hábitos. Sou um cara bem mais centrado, mais responsável. 
 

Ah sim, e como é o professor Magal? Muitos amigos já se formaram com você e lhe tem como um mentor. Você é do tipo severo ou mais paciente?

Eu não sabia que tinha este dom. Fui percebendo com o tempo e gosto muito de ensinar. Sou muito paciente com meus alunos. Só que às vezes tenho que dar um puxão de orelha hehehehehe... no bom sentido, claro. 
 

Você se liga em moda e estilo? Faz falta ter mais gente montada e diferente nas festas?

Sim, acho muito legal ver as pessoas montadas. Isso faz parte da cultura clubber. Música e moda sempre caminharam juntas. Mas eu gosto mesmo é de pessoas com estilo, autênticas. 
 

O que você costuma fazer para manter a disposição. Segue dieta? Faz alguma atividade física/meditação? Passar dos 40 e estar bem nessa profissão é para poucos.

Hoje não me cuido como deveria. Mas pratiquei esporte em boa parte da minha vida e acho que isso ajudou a me manter bem. Sinto muita falta e não descarto a possibilidade de voltar a praticar alguma atividade. Enquanto isso não acontece eu vou bebendo muita água. 
 

Se um dia você resolver "pendurar os fones", o que gostaria de fazer fora da esfera musical?

Essa é uma pergunta difícil de responder. Porque pra fazer isso eu teria que ter uma estabilidade financeira e aqui neste país isto não é possível. Pelo menos pra mim. Mas sei lá... talvez mecânico. Adoro motores.