fundo de quadrados coloridos com o escrito E3 no centrofundo de quadrados coloridos com o escrito E3 branco no centro

Os melhores jogos independentes da E3

Em meio a tantos lançamentos e novidades da E3, alguns artistas independentes conseguem se destacar através de jogos inovadores e chamativos.

A Electronic Entertainment Expo, popularmente conhecida como E3, é a maior feira internacional dedicada à tecnologia e jogos eletrônicos do mundo e acontece anualmente em Los Angeles, nos EUA. Ao longo de cinco dias, entre 9 e 13 de junho, diferentes empresas do mercado aproveitaram a visibilidade e empolgação do público para apresentar as mais diversas novidades que serão lançadas até o meio do ano que vem.

Os três primeiros dias são utilizados para transmitir as conferências das grandes empresas, que apostam em novidades e inovações, tanto em plataforma quanto em jogos. A Microsoft, por exemplo, anunciou um novo console, o Xbox Project Scarlett. A Ubisoft, por sua vez, anunciou diversos títulos, incluíndo Watch Dogs Legion, continuação da aclamada série.

Mas isso não quer dizer que apenas os produtos “mainstream” e populares recebam atenção. Ainda que o tempo de exposição seja muito menor e concorrido, diversos estúdios independentes puderam apresentar seus mais recentes trabalhos e conquistar alguns segundos de fama. Ver desenvolvedoras indie conquistando espaço é a maior prova que o cenário (e o público) cresce a cada ano.

Com o objetivo de dar ainda mais visibilidade ao cenário underground, a Freak Market separou dois jogos independentes que mais nos chamaram a atenção nos últimos dias, seja por sua arte, inovação ou jogabilidade. São títulos que já estão em produção e devem chegar no mercado até o primeiro semestre do ano que vem.

The Sojourn

Capa do vídeo

Quando estamos para conhecer uma nova experiência, os primeiros segundos são os mais importantes de todos, pois são eles que farão o usuário gerar expectativa ou frustração sobre tudo.  Logo em nosso primeiro contato com The Sojourn, uma conexão clara já havia sido estabelecida e naquele exato momento o jogo já tinha se tornado o nosso favorito.

The Sojourn é um jogo independente de puzzle em primeira pessoa, em que o jogador atravessa diferentes realidades de luz e escuridão em busca de respostas. Através de diferentes enigmas, o jogador precisa interagir com o mundo para criar soluções criativas aos desafios e assim concluir os objetivos.

Trata-se de um estilo no qual deixa-se de lado a ação e o conflito, e evidencia a narrativa, a trilha sonora e a arte. Em entrevista ao site americano Shack News, Damien Sarrazin, chefe de relações públicas da agência que presta serviço ao jogo, aponta que desde o primeiro momento apenas um objetivo estava em mente; criar um game que pudesse ser considerado uma obra prima artística.

Imagem do jogo The Sojourn

Com cenários minimalistas, tons pastéis e músicas do estilo “chill”, os desenvolvedores conseguem reproduzir uma experiência íntima e imersiva, estabelecendo uma conexão muito próxima com o jogador. Aliado a puzzles desafiadores e um enredo misterioso, o jogo promete criar uma experiência única e viciante.

Embora o lançamento esteja previsto para o começo de 2020 em PC, Xbox One e PS4, o estúdio Shifting Tides já apresentou o jogo em diversas feiras independentes e já coleciona alguns prêmios interessantes, como “Melhor Indie feito em Unreal” de 2018 e “Destaque da PAX East 2019”.

Way to the Woods

Capa do vídeo

Para alguns a juventude é tempo de aventura e diversão sem muitas preocupações ou responsabilidades. Mas para Anthony Tan, é o início de uma longa caminhada em direção ao sonho de criança.

Desde 2015, com apenas 16 anos, Tan vem trabalhando sozinho para criar o seu próprio jogo de aventura; Way to the Woods. Isso significa que toda a programação, modelagem 3D, trilha sonora, gráficos, tudo do jogo está sendo criado por um unico rapaz, que além do desenvolvimento do game, precisa conciliar estudos e vida social.

A Way to the Woods conta a história de uma família de veados, mãe e filhote, perdidos em um amplo e assustador mundo humano, mas sem vestígio de seus habitantes. Em meio a uma selva de pedra, os personagens precisam interagir com o ambiente para resolver enigmas, conseguir respostas e achar o caminho para seu lar.

Se você não se impressionou com o fato de que um jogo dessa magnitude está desenvolvido por um único rapaz, saiba que as decisões estratégicas e criativas são ainda mais inteligentes e demonstram um enorme profissionalismo no quesito game design. Para demonstrar a barra de vida, por exemplo, Tan optou por diminuir a luz emitida pelos chifres do personagem, dando um feedback visual ao jogador de que a protagonista está com dor e em perigo.

Imagem do jogo Way To The Woods

A trilha sonora tem um grande peso na narrativa, aumentando ou diminuindo a intensidade das batidas de acordo com a situação, servindo de guia para o jogador e ajudando a criar uma experiência mais imersiva.

A qualidade deste indie game foi tanto que chamou a atenção do próprio Xbox que assumiu uma parceria para distribuir o jogo assim que estiver pronto, em 2020, no PC e Xbox. Mesmo tendo uma grande empresa apoiando, Anthony afirmou que concluíra o projeto sozinho, como foi em todas as etapas.

Escrito por:

Guilherme Kyoji

Popularmente conhecido como Koala, Guilherme tem 29 anos, trabalha com redes sociais, adora games e acha muito estranho se descrever em terceira pessoa.
Popular em Exposições