Quando a Moda mata a Moda e a Cultura

Quando a moda vira moda

A palavra “Moda” significa costume e vem do latim “modus”, surgiu no renascimento europeu em meados do século XV. Na Idade Média as roupas diferenciavam os nobres dos plebeus, haviam leis que proibiam plebeus de usar certos tecidos  e cores que pertenciam à nobreza. Em certo momento a burguesia passa a imitar o estilo da elite e após a revolução industrial temos a produção em massa de roupas.

by Marcus Gheeraerts the Younger, oil on canvas, circa 1592

Quando a moda vira lixo

A produção em massa de roupas à baixo custo, unida a noção imediatista de troca de coleções, virou um problema ambiental. O equivalente a um caminhão de lixo têxtil é desperdiçado por segundo e 1,2 bilhão de toneladas de gases de efeito estufa são liberados por ano, valor que supera a aviação comercial e a indústria naval juntas.

Além do custo ambiental de produção, temos também o custo de descarte. Quanto menor a qualidade da peça, mais rápido ela vai para o lixo.

Quando o imediatismo vira desastre 

Você pode dizer que o capitalismo cria o imediatismo, ou que o imediatismo cria o capitalismo. Seja como for, perdemos o controle do consumo e da produção. Estamos em um ciclo vicioso de compras desacerbadas, vício alimentado por redes sociais e claro, pelas próprias lojas.

Quando se faz algo muito barato, o mercado tem a necessidade de vender muito e o tempo todo. Como fazer isso? Bem, diminuindo o prazo entre uma coleção e outra!

Muito além das estações do ano, existem lojas que mudam suas coleções em questão de semanas, para gerar o interesse do consumidor, que vê a necessidade de possuir o que há de mais novo no momento.

“O poder cultural das roupas é utilizado para promover o consumo"

Quando você percebe que a conta não fecha

Pratique o seguinte exercício:

Quando entrar numa loja de departamento, faça um cálculo amador de quanto custaria uma peça. Escolha uma camiseta qualquer, observe a costura, a estampa, tecido e colorização. Precifique cada passo, lembre de cada pessoa necessária para que esse produto exista, da costureira ao vendedor. Agora veja o valor dessa camiseta, uma coisa é certa; A conta não fecha!

A indústria do algodão é cruel, intoxica quem trabalha nela, se utiliza de trabalho escravo da colheita ao costureiro. E é por isso que a conta nunca vai fechar.

Quando a potência econômica acaba com a economia local

Mas e as doações? 

A Europa tem diversos projetos que enviam “doações” para países africanos, asiáticos e do Leste Europeu, o que parece uma solução caridosa, acaba sendo extremamente prejudicial para a economia desses países.

Podemos começar acabando com a hipocrisia, essas doações são lixo disfarçado, ainda que em bom estado, as peças não passam de descarte da geração imediatista do consumo. 

As roupas que chegam nesses lugares acabam em mercados que revendem por preços extremamente baixos e isso faz enfraquecer a produção local, logo prejudicando a economia. É como se as doações engessassem os produtores locais.

Quando a moda mata a cultura

Depois de causar um desastre econômico para quem não está na grande indústria, a moda causa um desastre cultural. Ao enfraquecer o comércio e a produção local, perde-se diversas manifestações de comunidades que se dão através das roupas.

É aqui que lembramos, que além de vestir, a moda marca a existência e a personalidade de um povo. Cada comunidade seja ela urbana ou tribal, se expressa através de vestes e acessórios.Quando essas vestes e acessórios locais deixam de ser produzidos por conta da invasão barata de uma cultura eurocêntrica, perdemos a identidade de todo um povo!


Se você gostou deste artigo e quer ver mais conteúdo do tipo, que tal apoiar a revista Freak Market? Pelo Apoia-se você pode contribuir para que essa revista continue produzindo conteúdo independente e divulgando novos artistas. A partir de cinco reais você já recebe recompensas e ajuda a construir um conteúdo de qualidade, livre de intervenção publicitária.


Escrito por:

Yara Oliveira

Graduada em Rádio e Tv, com extensão em artes contemporâneas e cinema e pós em design. Comunicação, arte e design, paixões intrínsecas da minha vida e bases da sociedade, que tenho necessidade de aprender e explorar cada vez mais.
Popular em Slow Fashion