The Mönic: Conheça as mulheres que chegaram com os dois pés na porta em SP!

Com uma energia de palco indiscutível, vocais poderosos e um som que empolga qualquer fã de um bom rock and roll. Esta é a The Mönic, a banda formada por quatro mulheres incríveis cujo talento transcende a música!

Formada em Setembro de 2017, as integrantes do grupo já contam com dezenas de faixas autorais gravadas, clipes brilhantes e um futuro promissor.

Três das quatro integrantes da The Mönic vem de uma outra banda, a BBGG. Ale Labelle, vocalista e guitarrista, fala um pouco sobre o processo de transição: “ Eu, a Joan Bedin e a Dani Buarque já tocávamos juntas faziam alguns anos. Após a saída do baterista desse outro projeto, sentimos a necessidade de começar uma nova banda com outras ideias e ideais. Foi aí que achamos a Daniely Simões por meio de uma audição e iniciamos nossas composições juntas.”

A origem do nome da banda tem uma história inusitada. Dani Buarque, vocalista e guitarrista, relata que a banda já possuía dez músicas gravadas e permanecia sem nome. “Tinha vários, mas nenhum que agradasse as 4. Um dia, postei uma foto com o chifrinho que o Angus Young toca e legendei com “The Monia”. Ficamos zoando que o nome da banda ia ser The Monias e meu marido deu a ideia de usar um trocadilho, e ficou The Mönic.”

MUITO MAIS QUE BOA MÚSICA

Se você assistiu qualquer um dos clipes lançados pela The Mönic, provavelmente reparou que eles tem características únicas, autorais e diferenciadas. A própria atuação das integrantes nos vídeos é muito convincente, e tudo isso tem um motivo: elas estão envolvidas em todo o processo criativo dos clipes. Dani Buarque e Ale Labelle são formadas em radio e TV e Joan Bedin, em cinema, além de Daniely Simões trabalhar em uma produtora.  Para elas, os clipes são tão importantes quanto á música em si. “Nós sempre escrevemos os roteiros, dirigimos a maioria e editamos também”, conta Dani. Ela também revela que há planejamento e um  brainstorming para cada segundo dos clipes. “É muito cansativo porque a gente sempre roda com orçamento apertadíssimo mas, no final, vale a pena ver a transformação da música em imagens.”

Clipe de “Mexico”

Capa do vídeo

As integrantes da The Mönic não tem medo de investir na banda. De acordo com Joan Bedin, todo o dinheiro que entra é aplicado na banda, seja em merchandising, ensaios, viagens, artes e publicidade.  Ela ainda destaca a necessidade de serem criativas, para que consigam fazer tudo caber no orçamento. Esta, segundo Joan, é a maior dificuldade que enfrentam pois além de tocar, todas elas tem seus empregos.

Então são praticamente 3 trabalhos: O trabalho da carteira assinada, de segunda a sexta, divulgação/ publicidade/agenda de show da The Mönic, e a  música.

Nós amamos demais fazer tudo isso, mas muitas vezes falta tempo para focar no mais importante, que é o nosso som.

Diz Joan.

Ainda sobre as dificuldades enfrentadas pela banda, não é de se espantar que as integrantes da The Mönic tenham enfrentado episódios de machismo em diversas ocasiões. “Desde comentários como ‘Deixa quieto, é mina’, ‘ espero que vocês não façam música sobre empoderamento’, além de comentários mais pesados... até mano querendo timbrar nossos instrumentos ou técnico cagando nosso som no meio de show. Já rolaram várias coisas”, revela Joan. Mas ela se sente otimista a respeito do futuro. “Graças a união das minas acontecendo, dentro da música e em várias áreas, lutando por espaço e metendo o pé, vem fazendo o cenário mudar ou pelo menos repensar tudo o que vem acontecendo a muito tempo. Ainda é um começo, mas é um começo muito bonito”, ela finaliza. Somando os trabalhos de segunda a sexta com os trabalhos com a banda, Dani, Ale, Daniely e Joan não tem descanso. Elas trabalham para que, um dia, consigam viver da música.


Temos o pé no chão, sabemos a dificuldade de fazer música e dinheiro no Brasil. Não sonhamos em ficar ricas, só queremos pagar as contas e conseguir nos dedicar a nossa paixão em tempo integral!

Conta Dani.

ESCUTA ESSE SOM!

Você pode encontrar o som da The Mönic no Youtube!

Ou já vai ouvindo a banda nessa playlist que montei só para você <3

Escrito por:

Rebeca Gonçalves

Rebeca Crespo tem 22 anos e é produtora, fotógrafa e roteirista no coletivo mais legal do mundo, o Friends Group. É apaixonada por literatura gótica, filmes blaxcpotation e por fazer perguntas demais.
Popular em Rock