Artistas de diversas especialidades transformam fotos do esporte em obras para exposição

A arte não é solitária e pode ser criada com bem mais do que apenas duas mãos. Uma obra pode ganhar vários significados e interpretações à medida que vai passando por diferentes criadores e espectadores. O processo de transformação dos trabalhos originais estimula o público a ter um novo olhar sobre algo conhecido.

É esse tipo de experiência que será oferecida a partir do dia 1º de novembro na exposição Caos on Canvas, montada no Museu da Imagem e do Som, em São Paulo. As obras que estão sendo apresentadas são fotografias de surf feitas pelo fotógrafo Ricardo Borghi, publicadas em revistas especializadas como Surfing Magazine, Surfer’s  Jornal.

Mas as imagens sofreram diversas alterações até que chegassem as paredes do MIS. A intenção de Didu Lossio, idealizador da exposição, é que outras pessoas dessem a sua interpretação para as fotos e intervissem com as mais variadas técnicas sobre o trabalho. Trinta e três artistas de diferentes áreas foram convidados a modificar o que já existia. Os colaboradores vão de Tim Armstrong, vocalista e líder da banda punk Rancid, até um grupo de artistas com deficiência visual da Associação Laramara.

Em 2012, Didu já tinha feito um projeto parecido, mas utilizando a temática do skate ao invés do surf. A ideia de abordar fotografia, esporte e intervenções artísticas reacendeu e em abril deste ano a Caos on Cavas ganhava uma première no hotel Unique, em São Paulo. Logo depois Lossio foi convidado para apresentar a exposição na Embaixada do Brasil em Los Angeles e agora traz as obras para a apreciação do grande público.

“A primeira sobre o skate foi só com pintura. Nessa eu quis ampliar porque tem gente que não gosta de pintar, prefere bordar, prefere instalação. Nessa a gente resolveu expandir e trazer novos artistas. Eu também coloquei um trabalho meu que tem áudio-descrição, onde a pessoa com deficiência pode tocar na tela e eu vou explicando tudo o que está retratado”.

Boas coincidências

Didu Lossi conhece Ricardo Borghi desde a infância. Depois da exposição com pinturas e fotos de skate, já pensava em criar um novo projeto com o surfe. Por telefone, em ligação despretensiosa, descobriu que o amigo tinha viajado muito pelo mundo, especialmente pela Tailândia, fazendo fotos para publicações especializadas no esporte que artista queria retratar.

O ano era 2013 e o Brasil ainda não tinha conseguido conquistar um título mundial da categoria. Nesse meio tempo, enquanto Lossio fazia a curadoria das fotos e corria atrás dos processos burocráticos para financiar sua nova empreitada, Gabriel Medina e Adriano de Souza conquistavam consecutivamente os inéditos campeonatos para os brasileiros. Este ano o campeão foi o havaiano John John Florence.

“Alguns dos surfistas que estão retratados na exposição foram na première, no começo do ano, e amaram o que viram. Os que não puderam ir porque estavam em competição viram depois e eu soube que eles adoraram. O feedback foi muito bom”.

A escolha dos artistas que trabalhariam em cima das fotos de Ricardo foi um processo simples, segundo Didu, já que a grande a maioria deles já tinha seu trabalho reconhecido pelo curador. “Grande parte dos artistas são meus amigos. Eu cheguei no Tim Armstrong através de um amigo em comum. Falei para todos que eles tinham liberdade para escolher qual imagem trabalhar e fazer o que quisessem”.

Essa liberdade é ressaltada quando se vê a diversidade de técnicas apresentadas na exposição. Além da pintura, os artistas puderam se expressar através do grafite, design gráfico, instalações e colagens.

Serviço
EXPOSIÇÃO CAOS ON CANVAS

DATA 1º/11 a 3/12
HORÁRIO terças a sábados, das 12h às 20h; domingos e feriados, das 11h às 19h
LOCAL Térreo e Escadaria
INGRESSO Gratuito
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA Livre
Museu da Imagem e do Som – MIS
Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo | (11) 2117 4777 | www.mis-sp.org.br
Estacionamento conveniado: R$ 18 (Valet)
Acesso e elevador para cadeirantes. Ar condicionado