Em sua segunda edição, o evento Senac Moda e informação reuniu grandes nomes da moda em prol de apresentar soluções e questionamentos para a atual indústria do segmento. Seu público atinge diversos profissionais da área e o conteúdo abrange desde a área têxtil até tendênciancia de consumo. Veja alguns destaques dos palestrantes do dia:

O primeiro palestrante foi Fábio Kadow, head de Marketing da Puma Brasil. Eles revelou vários segredos da empresa e destacou a importância de levantar bandeiras e ser engajada em ativismos. Diz que a nova tendência é o “Storydoing”, diferente de contar histórias como no já batido “Storytelling”, a marca tem que fazer parte da história, transformar intenções em ações.
 
 

"As pessoas amam marcas que amam pessoas"

A coolhunter Andrea Bisker falou da importância em conseguir com que sua marca tenha um posicionamento forte e concreto “Quando a geração Z compra algo, é como se votasse na marca”. 
 
Para tendências chama a atenção da fuga do offline, esportes radicais, retirados espirituais e uma vida mais “zen” permeiam a sociedade contemporânea. Esteticamente ela aponta que hoje tudo é referência e ainda chama atenção para o revival de eras passadas misturadas ao design contemporâneo.
 

“Se a moda tem algo positivo, é o contágio”

Quando se trata de engajamento social, Gustavo Silvestre marcou presença contando de seu projeto social em presídios. No projeto “Ponta firme” ele ensina crochê para turmas de presidiários e chegou a lançar coleção na Fashion Week.
 
Ele também aponta a necessidade de reconhecer a arte e cultura brasileira e não importar designs de fora.
 
 
O Grupo Coolhunter Favela trouxe todas as suas referências da periferia carioca para o palco do evento. Eles formam um lab de tendências que busca localizar a origem de sinais e movimentos contemporâneos que têm suas raízes em manifestações culturais e estéticas nas periferias do mundo. Ao final da palestra, tivemos a experiência de visitar um shooting fotográfico produzido por eles.
 

"As marcas relevantes entendem a razão delas nas vidas das pessoas"

Marcos Hiller, do True Stories, fala sobre Comportamento de consumo. Ele dá uma panorama total nas particularidades dos consumidores brasileiros e diz que devemos focar no indivíduo. É assim que diversas marcas que recorreram à True Stories chegaram a um bom resultado. Conhecer o público como indivíduo é uma maneira de se conectar ao seu consumidor.
 
 
Trazendo a bem sucedida história do Enjoei, Mariana Wakim apresentou esse novo modelo de negócios do mercado de produtos de segunda mão.
 
O site Enjoei, começou com um blog que postava a foto das roupas e sua história. O modelo cresceu e se tornou o site que conhecemos. A ideia é facilitar a compra e venda de roupas de segunda mão. Hoje, além dos vários adeptos ao site, a Enjoei conta até com lojinhas de celebridades e planejam facilitar ainda mais a venda de produtos com o Enjoei Pro, onde é oferecido o serviço de foto, postagem, descrição e venda dos produtos pela própria empresa.
 
 
 
Mário Schik, da Digitale Têxtil, contou sua jornada com a empresa, desde fabricante de tecidos até a estamparia digital. Ele diz que um empresário não deve ter medo de mudar. A própria Digitale passou por uma grande reviravolta em 2008 quando percebeu que a produção de tecidos já não era mais rentável no novo contexto de mercado. Assim começou com a estamparia digital. Mário também alerta sobre a importância de encontrar um nicho “Especialize-se e vire referência no que faz”.
 
 
Por fim, Tathiana Putt e Mariana Pedreira Freitas, coordenadoras de moda e beleza do Senac São Paulo, nos contou um pouco sobre a organização e objetivos do evento.
 
“O papel do Senac é possibilitar que as pessoas tenham acesso ao conhecimento de qualidade”, diz Tathiana (à esquerda na imagem). O Senac moda e informação tem o objetivo de ser diversificado, entender o que está acontecendo em diversos nichos no mercado da moda.
 
“O tema a gente trabalha com o coletivo. Sempre trazemos três ou quatro pessoas de diferentes áreas, com pensamentos diferentes pra trazer um pouco do que eles têm visto”, explica Mariana.
 
O Senac Moda e informação tem 2 edições por ano e não repete os nomes dos palestrantes. Mariana conta que o público do evento, ainda que majoritariamente de moda, tem um perfil diferente das edições anteriores. Eles buscam novos conceitos para sua marca, muito além da  melhor modelagem para estação. Existe uma necessidade em aprender a fortalecer a marca em si entre os microempreendedores de moda.