Ao lançar o primeiro disco, os músicos da banda O Terno recém estavam completando 20 anos de idade. Agora, com três álbuns na bagagem, o trio agitou uma plateia de mais de 100 mil pessoas no festival Lollapalooza 2018, em São Paulo. Biel Basile, baterista, conta que do palco eles sentem como se todo o público estivesse contagiado e em sintonia com as músicas, “foi chocante e muito emocionante ver um mar de gente cantando e levantando a mão”, declara.

 

 

Além da forte presença no cenário de rock nacional, O Terno também já mostrou ter inspirações no tropicalismo, psicodelia e soul, e não define apenas um estilo para a sua música, “nunca tivemos a intenção de deixar delimitado o perímetro de influências da banda”, comenta Basile, contando que não costumam excluir nenhuma possível referência para desenvolver as melodias, e que, no decorrer do tempo, vão experimentando novas harmonias no trabalho do grupo. “Nós três somos muito apaixonados por ouvir música e tenho sentido que cada vez mais conseguimos achar graça nas mais diferentes formas de som, ainda bem!” diz Biel, descontraído, “as coisas vão se sobrepondo, essa é a graça!”
 
 

Aproximação d'O Terno com um público que compartilha momentos parecidos da vida 

 
Os fãs acabaram seguindo a evolução da banda no decorrer de sua trajetória e acompanhando as fases pelas quais O Terno passou, dividindo questões existencialistas e interesses estéticos, o que fez com que os músicos se aproximassem de sua geração, afinando a relação entre eles. 
 

“Fomos crescendo juntos e chegando cada vez mais nessa juventude que compartilha com a gente o nosso tempo”, explica Biel. “As pessoas têm muita afinidade com as canções, a gente tem sentido isso cada vez mais durante os shows! Então sinto que, de maneira geral, nosso público é toda essa geração que cresceu junto com a gente”, salienta.

 

 

“As premiações tem um papel muito importante se forem pensadas também como uma espécie de curadoria”

 
O Terno já conquistou alguns prêmios durante a carreira, emplacando inclusive um álbum entre os 25 melhores da música brasileira na revista Rolling Stone no ano de 2012, e, mesmo com a dispersão que a internet causa atualmente com a quantidade imensa de conteúdo musical disponível em rede, Basile considera que, ainda assim, as premiações exercem uma função significativa se assimiladas a uma atividade de curadoria de talentos musicais, na qual o público pode ter a oportunidade de notar novas bandas. 
 
“Conheci muitos artistas lendo listas de premiação. Talvez se elas não existissem, não descobriria tão facilmente. Tem quem diga, também, que fica muita coisa de fora, mas nenhuma premiação vai conseguir dar conta de tudo."
 

Parceria com Tom Zé e projeto solo de Tim Bernardes

 
Em 2013, a banda fez uma parceria com o músico Tom Zé, lenda viva da Tropicália, tocando em duas músicas do álbum “Tribunal do Feicebuqui”, trabalho que consideram um dos marcos da carreira do trio. “Sempre ouvimos os discos do Tom Zé então o conhecíamos por sua obra – não só na música, mas os livros, as entrevistas. Ele é muito irreverente, espirituoso, com muita personalidade. Nessa parceria conhecemos o lado pessoal e foi muito especial”, diz Basile, acrescentando que considera a vertente artística do músico só mais uma extensão do gênio que Tom Zé é no dia-a-dia, e que a banda pôde conferir ao vivo.
 
Além de um novo álbum do grupo já estar em desenvolvimento, tem rolando apresentações de lançamento do disco “Recomeçar”, projeto solo que o vocalista Tim Bernardes concilia com a banda. Como O Terno permanecerá por um tempo mais focado gravando em estúdio, Biel conta que a adaptação entre os dois trabalhos tem dado certo, “são muitos shows do Tim e um pouco menos d’O Terno e esse casamento está sendo legal” diz ele. Com relação às divergências de estilo quanto às duas propostas musicais, Basile admite que a banda acaba pegando algumas influências do disco solo de Tim, uma vez que ele é compositor em ambos, o que pode resultar em mais novidades em questão musical para O Terno, que abraça tantos estilos.
 
Enquanto o disco novo não sai, confira abaixo a playlist de inspirações que O Terno selecionou!
 

 

Fotos: Panama Filmes