Animações Nacionais: O Crescimento de Produções Animadas Brasileiras

Animações nacionais estão finalmente ganhando espaço no cinema e televisão. Sucesso, produções animadas brasileiras estão sendo reconhecidas e premiadas ao redor do mundo!

As animações nacionais estão vivendo um ótimo momento, nunca se fez tanta animação em território brasileiro. Atualmente, cerca de 25 filmes animados estão em produção. Menino e o Mundo, roteirizado e dirigido por Alê Abreu, é reflexo desse tempo, em 2016 o filme conquistou a primeira indicação brasileira ao Oscar de melhor animação. Já em 2017, de acordo com os dados da Agência Nacional do Cinema (ANCINE), o Brasil bateu o seu recorde, ao lançar 7 filmes de animação.   

Na televisão, séries nacionais animadas como O Show da Luna e Irmão do Jorel são referência no mercado, sendo obras premiadas dentro e fora do Brasil.  A popularidade das séries de animação brasileiras é consequência da lei 12.485, conhecida como a lei da TV Paga. A lei aprovada em 2011, consiste que todos os canais de TV por assinatura devem exibir um mínimo de 3h30 de conteúdo brasileiro semanalmente em horário nobre, sendo metade de produtora independente.

Para entender mais o universo das animações nacionais, a Freak Market conversou com Neil Armstrong Rezende. Um animador e professor universitário, que faz animação desde 1991.

A ERA DE OURO DAS ANIMAÇÕES NACIONAIS

Mesmo vivendo um bom momento, Niel acha complicado afirmar se estamos em uma era de ouro, já que a cultura nacional vem sofrendo com cortes de verba e, consequentemente, paralisando políticas públicas. “O Cinema e o audiovisual brasileiro cresceu muito com as políticas públicas, e está começando a ganhar espaço no mercado internacional, gerando empregos, oportunidades, ganhando prêmios e espaços nunca antes trilhados. A animação conquistando espaço em TVs fechadas, abertas e em canais de streaming. Mas com as recentes paralisações eventuais dessas políticas, fica complicado de afirmar que estamos numa era de ouro”.

O IMPACTO DA LEI 12.485/2011

Para o animador a Lei da TV Paga foi essencial para expansão das animações brasileiras. “Foi e tem sido fundamental para ganharmos espaço pelo mundo. Inicialmente as distribuidoras e canais pensavam em apenas cumprir a cota. Mas com o tempo, e com a oportunidade da nossa animação mostrar – a cara – viram que nossos produtos eram mais do que cotas, e que tinham interesse popular, e não só no Brasil, como no mundo. Vários exemplos atestam isso, como O Irmão do Jorel, Peixonauta, entre outros que conseguiram contratos e estão em vários países pelo mundo e com várias temporadas realizadas”.

Neil também ressalta a importância do crescimento do segmento de produções animadas. “Podemos ir além, ainda há muito talento brasileiro a ser descoberto.  Empregos e uma indústria nacional a ser construída com benefícios para todos”.

LEIS DE INCETIVO

As leis de incentivo à cultura são essências para o crescimento a expansão de produções animadas. “São fundamentais (as leis). Pois a indústria ainda não está sedimentada. Por exemplo, no Sudeste, onde as empresas começaram e tiveram oportunidade mais cedo, já conseguimos ver melhor os resultados e conquistas desses incentivos. O resto do país está em crescimento, e precisando muito ainda desses incentivos, sejam por meio de editais ou leis”, relata Neil.

O animador também lembra como os incentivos lhe ajudou. “Foi graças a um destes editais, o PRODAV 09/2014, parceria ANCINE/FSA/BRDE, que esse sonho de realizar uma série maior de animação aqui no Ceará se tornou possível. Empregos gerados, formação de equipes, e muitos sementes plantadas. Podemos ir mais longe, só precisamos de mais oportunidades”.

DESENVOLVENDO UMA ANIMAÇÃO

Existem várias etapas no processo de produções de uma animação no Brasil. “Inicialmente surgem as ideias, e muitas conseguimos desenvolver sem verba, mas na maioria dos casos, os editais para desenvolvimentos fazem a grande diferença. A partir do desenvolvimento, a busca pelo financiamento e a realização. Esse é um dos caminhos básicos”, explica o professor.

Niel expõe outras formas de produzir animação no Brasil. “Muitos grupos se formaram a partir do mercado publicitário. Existem vários padrões, processos e formações diferentes de equipes e núcleos, mas um dos maiores fatores de construção são as políticas públicas que tem incentivado e levado à frente muitos grupos, empresas e talentos”.

AJUDA DA TECNOLOGIA

Com o avanço da tecnologia, houve grandes mudanças na forma de fazer animação. “A tecnologia acelerou, hoje quase não usamos papel. Podemos usar rigging 2D, que é o esqueleto que controla o personagem também nas animações 2D, o que acelera bastante a produção, mas o artista e animador continua sendo imprescindível para o trabalho. O talento não pode ser automatizado”, conta Niel.

O animador continua e relata as mudanças no mercado. “Os animadores ainda eram resistentes a animar usando novas tecnologias, mas hoje todos trabalham usando as canetas digitais, e a produção com papel tem se mostrado pouco viável para o mercado atual. No início quase não haviam programas de animação 2D voltados para a linguagem do animador. Hoje vários produtos estão no mercado, inclusive alguns gratuitos e funcionais”.

O ANIMADOR

A série animada Astrobaldo (2017 - presente), criada por Neil, faz parte do catálogo da Amazon Prime Vídeo. O animador nos revelou a formula para o sucesso. “Acho que acreditar em sua própria visão, na comunicação construtiva e ao mesmo tempo não esquecer do poder do entretenimento, levando às pessoas diversão e alegria acima de tudo. E ter muito amor e fé pelo que gosta de fazer, pelos seus sonhos. Muitas vezes é cansativo, parece impossível, mas aquele amor sustenta o que parece ser muitas vezes insustentável”. Sendo um apaixonado por animação, Neil tem dois projetos em desenvolvimento. A série animadaAlba e os Fantasmas, que será uma animação 2D, e COCUN, websérie prevista para estrear ainda no final deste ano.

A FreakMarket precisa da sua ajuda para manter-se no compromisso de dar voz à artistas e pensamentos plurais. Acesse nossa campanha do Apoie-se e veja como participar!

Escrito por:

Ruth dos Santos

Jornalista por formação e ama escrever por opção! Suas paixões são cinema, televisão e cultura pop. Sonha em viver para contar histórias, e assim, descobrir mais sobre o mundo.
Popular em Independente