Duda Dello Russo: Drag, Geek e maravilhosa!

Apesar da diversidade de pessoas que seguem o estilo Geek, ainda existe uma problemática sobre a participação LGBT nesse universo, uma vez que a representatividade dela ainda não tem destaque visível e aceitação do público geral. Essa é uma questão que afeta Eduardo de Oliveira, produtor da balada Beco 203, mais conhecida nas redes sociais pela sua drag queen Duda Dello Russo, que, quebrando todos os paradigmas, consegue unir as comunidades Geek e LGBT em uma só.

FIFTH ELEMENT. ???? @kaiquetalles

Uma publicação partilhada por Duda Dello Russo

Duda Dello Russo se identifica como "maravilhosa"

Com um bom humor contagiante, logo de cara, Duda, de 22 anos, já avisa que, com relação a gênero, se identifica como “homem, gay, cis e maravilhosa!”, e encara a sua existência no mundo Geek como de grande importância para a representatividade LGBT, que ainda não tem grandes ícones retratados na mídia nerd, seja em filmes, séries ou jogos.  

A performer cresceu assistindo desenhos na televisão, principalmente de origem japonesa, como Pokémon, Cavaleiros do Zodíaco e Sakura Card Captor. Foi com esse interesse que começou a despertar seu gosto pela cultura geek, passando a ler mangás e batendo carteirinha em eventos de anime. “Toda essa construção da minha infância influenciou muito no meu trabalho”, conta ela. “Tudo que eu tenho de referência e que busco na minha memória vem disso. Não tinha muito como fugir dessa ideia de Cosplay com Drag!” 

PEPPER - AMERICAN HORROR STORY ASYLUM FOTO @kaiquetalles

Uma publicação partilhada por Duda Dello Russo (@dudadellorusso) a 1 de Nov, 2016 às 2:21 PDT

No seu Instagram há um vasto registro de personagens que ela incorpora, unindo a performance drag à atividade de cosplayer. Há desde inspirações em filmes como Star Wars e Quinto Elemento, até referências de animações como vilões da Disney e Digimon, todos com um toque especial do artista. “A galera desse universo não espera que tenha um homem com três meia calças, salto, corset e peruca, vestido de Angewomon. E eu posso! Por que não?”

 

URSULA | @ cine joia

Uma publicação partilhada por Duda Dello Russo (@dudadellorusso) a

31 de Jan, 2017 às 6:56 PST

Representatividade LGBTQ é baixa no meio nerd

Ano passado, a ONG GLAAD (Gay & Lesbian Alliance Against Defamation) divulgou uma pesquisa a respeito da representação de personagens LGBT em obras cinematográficas de grande bilheteria, na qual apenas 23 filmes, dos 125 mais populares de 2017, apresentavam algum personagem que se identificava como gay, lésbica, bissexual ou trans. Além disso, seus intérpretes tiveram cerca de apenas um minuto em tela e somente 20% deles eram de etnias não-caucasianas.

“Esse é um assunto bem atual e necessário. O quanto mais vejo gente que me representa é onde me sinto confortável e seguro”, relata Eduardo. “Acompanho filmes da Marvel e DC, mas o meu buzz e euforia estão cada vez menores até eu conseguir me ver nessas mídias”. Por esse motivo, Duda conta que acabou se apegando muito mais a animes, porque produzem conteúdo com uma quantidade mais variada de gêneros e orientações sexuais.

Quando questionado se conhecia mais pessoas LGBT geeks, Eduardo afirma que possui várias amizades que fazem parte de ambas comunidades. “Tenho desde amiga drag e cosplay (Slovakia), como também streamer (Samira Close), e inúmeros amigos que mantenho desde época do Anime Friends de 2008.” Para Duda, passar informação e desconstrução para quem já está inserido na esfera LGBT é uma prática muito fácil, “o babado é pegar aquela pessoa que está desprevenida”, adiciona. 

No mundo Geek, a falta de representatividade acaba limitando a visão de alguns membros desse meio. Infelizmente, ainda há bastante discriminação e machismo presente na cultura nerd e a inclusão visual de personagens LGBT poderia ajudar bastante a abrir a mente de quem ainda não aceita o próximo por suas opções pessoais. “Preconceito acontece na comunidade LGBT como um todo, mas do universo geek surge muito por falta de informação. As pessoas que estão APENAS nesse universo, ficam em uma bolha, na qual não procuram se atualizar”, declara Eduardo, “hoje em dia, eu não tenho mais a paciência da didática. Só não se informa quem não quer!” completa ele.

Galeria

Escrito por:

Luna Rocha

Designer de moda, interessada em styling e consultoria de estilo, além de louca por acessórios temáticos e excêntricos. Como redatora, cria conteúdos sobre arte, moda e cultura pop para plataformas digitais.
Popular em Genderless